GandaM@lhos BTT

A glória não está em não cair…, mas sim em levantar-se sempre…

O que custa é a primeira…

Deixe um comentário

Pois é … custa começar em distancias superiores aos habituais 40 Kms…

De forma a ser uma experiência intermédia aproveitou-se o facto de a Maratona do Povoa Bike Camp ter 60 Kms, e vão os Gandam@lhos testar os limites das suas “canetas”…

Motivo de interesse nesta participação era também a estreia das bikes personalizadas do tubaralhas e do zenight.

Tocolantes

Os autocolantes com o nome, grupo sanguíneo, bandeira, e com o logotipo dos Gandam@lhos tornam as nossas bikes em algo de muito exclusivo e fora do vulgar. Em breve o montinium e o diretas irão colar os seus tócolantes e mostrar aqui o resultado.

Maquina do zenight antes da partida.

Maquina do zenight antes da partida.

maquina do tubaralhas antes da partida.

Maquina do tubaralhas antes da partida.

Voltando à prova, de salientar o conceito inovador deste Povoa Bike Camp, pois estava tudo montado num pinhal, não havendo quaisquer infraestruturas construídas.Era mesmo um acampamento construído acho que com a colaboração do Exercito. Os banhos eram num atrelado TIR do exercito dividido em pequenas cabines. O Almoço era ao ar livre em mesas com bancos corridos espalhadas pelo meio do recinto.Muitas caras bonitas…;-)

Pois quanto à prova em si, cabe realçar antes de mais o grande momento de forma em que o tubaralhas se encontra. Dizia ele aos 40 e poucos kms que ainda não tinha transpirado…!

Certamente seria por aturar o meu ritmo mais lento e pesado…

A prova tinha um traçado curioso…Os primeiros 20 e poucos Kms eram os de uma típica prova de BTT, com trilhos normais, sem grandes paredes ou dificuldades de maior, rolante, e rolante para mim é não desmontar da bike…, e com muito, mas muito pó.

Ao primeiro reabastecimento chegamos antes das 2 horas e na divisão dos percursos iamos com bem menos de 2 horas e meia.

Os seguintes 20 Kms eram sempre planos ou com muito poucas subidas, o que (me) permitia rolar a mais de 20 Km/h, tendo no entanto muita areia pelo meio. A areia é uma superficie curiosa…e exige muita força nas canetas e uma forma diferente de equilíbrio, pois é mesmo muito instável…

Nesta parte do percurso foi um grande prazer circular mesmo pela orla marítima, e provar umas iguarias no 2.º reabastecimento, tipo bolinhos de bacalhau , rissóis e vinho verde!!!

Nos últimos 20 Kms, já a coisa complicou, pelo menos para mim, era o regresso ao ponto de partida, e prometia ser bem mais acidentado…

O meu pior pesadelo....

O meu pior pesadelo....

E assim foi, aos 50kms uma “parede de betão” com cerca de 150 metros destruiu a minha psique…

pois só pensava as minhas forças não eram suficientes para ultrapassar aquela rampa, nem mesmo a pé a empurrar a “BeOne”. Só me lembrava da “assistência em viajem”…E foi mesmo com muito sacrifício, muitas caimbras e muita determinação que consegui chegar lá acima, mas a partir dali até ao fim fui sempre em perda e em constante luta comigo mesmo para não desistir.

O tubaralhas sentia-se muito bem e certamente chegaria dentro das 4 horas, caso fosse no seu ritmo.

A RR 8.2 já precisa de uma bela afinação, e não sei se haverá pedaleiro que aguente a potência do homem.

Terminamos com 4 horas e 30 e poucos minutos o percurso de 60 quilómetros com 900 metros de acumulado, tendo sido uma experiência muito positiva.

Mais uma prova a colocar em futuras épocas.

Venha a próxima….

CartazGanda1

Anúncios

Autor: ZeNiGhT

Equipe BTT

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s