GandaM@lhos BTT

A glória não está em não cair…, mas sim em levantar-se sempre…


Deixe um comentário

Tempestade nos Moinhos…

Em dia de alerta Vermelho meteorológico, não eram de esperar facilidades no Trilho do Moinhos.

E assim se confirmou como uma participação muito, mas muito dura.

O percurso fora de estrada estava completamente encharcado, ora de agua, ora de lama bem espessa que complicava muito a progressão e derretia as forças das canetas. Chuva sempre presente, por vezes bem forte, e do vento… bem, do vento nem é bom lembrar… alturas havia em que em nas rectas se tinha que reduzir duas mudanças para conseguir andar, pois parecia que se ia a “trepar” para a Torre…

Ainda  assistimos à queda de um pinheiro, por força do vento, mesmo à nossa frente, que por muito pouco não aleijou um colega de BTT.

No que diz respeito aos GandaM@lhos, também se pode dizer que foi uma participação algo sombria.

Na partida

O capuchinho preto..

Na partida os habituais tubaralhas e zenight, mais o montinium bem enferrujado, que veio dar uma perninha.

Após a largada, e bem colocados na parte da frente do pelotão dos mais de 700 BTTistas corajosos que desafiavam as adversas condições, veio a verificar-se o mau momento de forma do montinium, que logo após os primeiros 10 km começou a sentir dificuldades, e obrigava a um andamento mais lento.

Depois para ajudar à baixa média, dois erros do zenight, um, quando parou a pensar que estava na frente, quando afinal já tinha sido ultrapassado pelos colegas, o outro quando depois de um malho, teve que voltar uns bons 200 metros atrás para tentar encontrar o GPS  NSPORTS de pulso que se soltou na queda.
Perdendo-se assim perto de meia hora.

Os três guerreiros...

Depois do reabastecimento, foi andar sempre em ritmo lento, ora por força do vento, ou da lama, ou de um ou outro percalço que foram sucedendo, até ao fim.

Prova uma vez mais muito bem organizada pelos Amigos da Montanha, mas que perdeu um pouco do seu “salero”, pois os trilhos escolhidos eram muito rolantes, faltando mais umas daquelas descidas técnicas  que o pessoal gosta. Embora se compreenda a escolha, em face do mau tempo e dos engarrafamentos que aconteceram no ano passado.

Tempestade nos trilhos

Tempestade nos trilhos

Venha Vizela! e o tempo seco!


2 comentários

Não foram 80… mas 94 km!

Pois foram mesmo os 94 km que se tornam para os GandaM@lhos como a maior distância percorrida de uma só vez.

Pretendia-se averiguar da condição física dos atletas para participar em provas de maior distância. Os resultados não foram muito animadores, em grande parte por culpa do zenight, que não consegue manter o ritmo muito  mais vivo quer do tony chugar, quer do tubaralhas.

Com partida pelas 14:25, demorou-se 5 horas e 19 minutos para regressar ao ponto de saída.

Rumo à ponte Hintz Ribeiro em Castelo de Paiva, com duas paragens, aos 40 e aos 65 km, para reabastecer de gel… e agua, e  regressar pela Marginal do lado do Porto.

Ficam aqui imagens da primeira paragem,

O tony chugar e o tubaralhas

O zenight apontando para o motivo do lento andamento...

O tony e o zenight

E aqui imagens do sportTracks.

Altimetria

Vista aéria do percurso

A polémica da altimetria acumulada:

Acumulado Track Master

Apesar de tudo pode-se considerar positiva a experiência, mesmo tendo em conta o facto de a distância ter sido percorrida nas bicicletas de montanha, com pneus não apropiados. Excepção para o tony que leva pneus “slick”.

De ressaca, tenho a contar um “andar”  novo, resultado da excessiva dureza e desconforto do selim que uso, e fortes dores nas articulações dos joelhos, fruto se calhar da ferrugem acumulada ao longo de 44 anos.

E a sensação de que foi uma grande satisfação pessoal o facto de ter superado tamanha dificuldade, com o apoio de dois verdadeiros atletas.
GPSies - Os 94 dos GandaM@lhos!
Percurso no GPSIES.

FUI!


Deixe um comentário

Eu já faço estrada…

Continua em grande ritmo a preparação para os “trilhos dos Moinhos”.

Outra vez na estrada, pois fui convencido, a cometer tal barbaridade pelo tubaralhas e pelo tony chugar.

O treino consistia na repetição do que eles tinham feito na semana passada.

Para ir “tranquilo” tomei uns calmantes antes da saída, mas acho que exagerei na dose, e era vê-los a esperar por mim em tudo quanto era lado…tal era o “sono” com que progredia naqueles inclinados “single tracks” de asfalto… 🙂

Brincadeira à parte, é uma volta interessante de 41 Kms, com ??? metros de acumulado, feita à média de 18,9 kms/hora, em 2:10 h.

Estou com dúvidas quanto ao acumulado, pois o GPS Nsports, dá perto dos quinhentos metros, o GPSies.com, dá mais uns poucos…, no entanto outros “leitores” de tracks como o ibpindex ou trackmaster, dão na casa dos mil metros…

As opiniões dividem-se...

Aproveita-se o que der mais jeito…

Gostei tanto que estamos seriamente a pensar dar 2 duas voltas de uma vez, para acabar com o que resta do “pacote”…
Terá que ser com um carro de prevenção, mas vamos acelarar para os 80 kms…
FUI…


Deixe um comentário

Mais um…

Vai muito bem lançada a preparação dos GandaM@lhos para os Trilhos dos Moinhos, em Barcelos, no próximo dia 27 de Fevereiro.

Por “caminhos” diferentes,  é certo, mas pretende-se sempre atingir a forma ideal.

O tubaralhas decidiu fazer uma traição à causa, e pegou nele e no “chugar tony”, o nosso novo candidato a recruta, e mandaram-se a dar uma “voltaça” a derreter borracha no alcatrão…

Até sinto comichão nos dedos a escrever isto….

Mas parece que a coisa correu bem, pois circularam alegadamente numa média de 25 km/h, em 1 h 55 m, saindo de VNGaia, circulando sempre junto ao Rio Douro até à Barragem de Crestuma e regresso a Gaia.

Um dia destes tomo um “XanaX” e vou tentar fazer a mesma volta… 😉

Já o zenight, mandou-se para Tras os Montes, e … grande volta!

Fotos da BeOne, “maquilhada” com cabos branquinhos….

Que Maquina!

Palavras para quê??

Para a história ficam aqui os dados do Treino… retirados com o NDRIVE Sports…

Altimetria

E uma novidade… o video (GPS) do treino….

Perguntem-me como isto é feito… vá lá….

FUI!!!


1 Comentário

+ Coisas de treinos…

Volto aqui, depois deste maravilhoso post, e a pedido de várias famílias, (eu… 😉 ), para expor aquilo que vou tentando perceber sobre metodologia e análise de treinos.

Sempre baseado na observação dos dados transmitidos pelo monitor de frequência cardíaca, (MFC) e na configuração do Sportracks, vamos tentar analisar o mais recente gráfico do zenight.

Gráfico em 01-01-2010

Antes disso, convém numa penada explicar o “modus”  de funcionamento do Plugin “training load”, e que dados e conceitos ali se jogam, e que podemos observar.

O TSS, o ATL, O CTL e o TSB, e ainda o TI… (Tudo parecido com FMI, CEE, ou OMS… 😉 )

Esse conjunto de informações (em chinês, por enquanto)  assenta em cálculos matemáticos que têm por base a informação sobre os batimentos cardíacos nas várias zonas de Frequência Cardíaca, transmitida ao software pelo MFC:

Parece-me ser por aqui que tudo se começa a desenhar. As Zonas…de frequência cardíaca, ou Zonas Alvo .

A saber:  uma Zona Alvo é uma faixa de batimentos cardíacos, definida por um limite inferior e um superior.

A actividade física desempenhada dentro de uma dessas faixas, com uma determinada periodicidade e duração é capaz de produzir efeitos no nosso organismo. Geralmente quatro diferentes tipos são considerados:

  • Zona de Intensidade Leve, (50 a 60 % da FCM)
  • Zona de Intensidade Leve a Moderada, (60 a 70 % da FCM)
  • Zona de Intensidade Moderada e (70 a 85 % da FCM)
  • Zona de Intensidade Máxima. (85 a 100 % da FCM)

As Zonas Cardio do ZenIghT... (por ora)

Até aqui, é tudo pacifico…resta então saber como balizar estas zonas…pelo menos saber qual a nossa Frequência Cardíaca Máxima…(FCM)

No caso em apreço, tomou-se em consideração a tradicional formula de cálculo, assente na formula 220 – idade, para chegar à frequência cardíaca máxima de 176 bpm.

Chega-se então à conclusão que o caso em apreço padece de apreciação psiquiátrica, pois quem vos escreve devia estar internado… pois já tem mais do que idade para ter juízo, e acha que descobriu a pólvora…

No entanto, e num momento fugaz de lucidez, adverte-se que para a sua própria segurança, deverá consultar sempre o seu médico antes de iniciar a  prática de exercício físico, e nunca ultrapasse os seus limites físicos.

( Senão acontece o mesmo que ao direct@s …) mrgreen :mrgreen:

(Continua … Quando ganhar coragem para continuar a explicar isto…)

Não adianta… estou empolgado com a matéria…

Olhando para ESTE gráfico, vamos começar por definir os tais conceitos “chineses” abordados acima…

TSS – Abreviatura de Training Stress Score …Lado direito do gráfico…

Vamos lá… O TSS pretende representar um cálculo que leva em conta a duração e a intensidade de um exercício. Pretende chegar a um numero que inclua a totalidade de carga física e psicológica criada por uma sessão de treino. Considera-se 100 pontos de TSS, o equivalente a 1 (uma) hora de trabalho  no limiar funcional…

Ai que isto complica… 😳 O limiar funcional é o máximo que cada um pode “dar” naquela hora de exercício.

Não conheço expressão em português, mas podemos dizer que é a representação numérica abstracta da intensidade de um treino… e que vai servir de base às outras variáveis; como o CTL (fitness, a azul) o ATL (fadiga, a vermelho) e o TSB (equilibrio entre as duas anteriores…, zona castanha)

Um exemplo: Treino realizado no dia 20-01-2010, com um TSS de 121…

TSS de 121 em 21-01-2010

NESTE gráfico, vêm-se os efeitos de cargas  (são as barras castanhas ao alto…. 😉 ) com TSS elevado, nas restantes linhas… vermelha (fadiga) e azul (fitness)  …

(Já não sei se isto continua… já está tudo bem explicadinho… 😯 )